História da topografia

História da Topografia

OS EGÍPCIOS os chamavam de “esticadores de cordas”. Quem eram estes homens? Eles pertenciam a uma antiga guilda responsável por marcar novamente os terrenos após as enchentes anuais do Nilo, para fins de tributação. Foram os precursores dos atuais topógrafos.

‘O que é, exatamente, um levantamento topográfico?’

O levantamento topográfico abrange duas operações principais. São elas: “(1) fazer a medição do que já existe, registrar sua localização e usar os dados para elaborar um mapa ou descrição; ou a operação inversa, que consiste em (2) estabelecer marcos topográficos para poder marcar limites ou usá-los como base para a construção. A topografia determina ou marca a posição de pontos que ficam na superfície, abaixo da superfície ou acima dela.” — Science and Technology Illustrated (Ciência e Tecnologia Ilustrada).

Pelo visto, o primeiro terreno cujos limites foram demarcados foi o jardim do Éden. A Bíblia também indica que havia topógrafos em Israel que definiam limites e títulos de propriedade. Provérbios 22:28 diz: “Não recues algum termo existente há muito tempo, feito pelos teus antepassados.” Os romanos até mesmo tinham um Deus chamado Término, ou Termo, protetor das fronteiras e marcos divisórios, e que era representado sob a forma de um bloco de pedra.

Os aquedutos e as estradas romanas, muitos ainda em existência, dão testemunho das façanhas dos antigos romanos na área da topografia. Com instrumentos primitivos, os primeiros topógrafos obtiveram resultados impressionantes. Por volta de 200 AEC, o astrônomo, matemático e geógrafo grego Erastóstenes calculou a circunferência da Terra.
Por volta de 62 EC, Heron de Alexandria, no livro Dioptra, demonstrou a aplicação da ciência da geometria — que significa, literalmente, “medida da terra” — à topografia. E entre 140 e 160 EC, Cláudio Ptolomeu, seguindo o método estabelecido por Hiparco, alistou uns 8.000 lugares no mundo então conhecido, com as respectivas latitudes e longitudes.

No século 18, a família Cassini realizou, num período de quatro gerações, o primeiro levantamento topográfico nacional de cunho científico na França, produzindo La Carte de Cassini. O livro The Shape of the World (O Formato do Mundo) explica que “a França foi pioneira no campo da cartografia científica; seguida pela Grã-Bretanha, Áustria e Alemanha. No restante da Europa, levantamentos topográficos nacionais se tornaram comuns nas primeiras décadas do século dezenove”. Fora da Europa, realizou-se em 1817 o Grande Levantamento Trigonométrico da Índia, a fim de concluir a cartografia desse país. O trabalho foi conduzido por George Everest, a quem se homenageou rebatizando o monte mais alto do mundo com seu nome.

Os primeiros topógrafos trabalhavam em condições muito precárias. Os anais conhecidos como Historical Records of the Survey of India (Registros Históricos do Levantamento Topográfico da Índia) até 1861 revelam que a equipe de topógrafos era assolada por doenças tropicais e, segundo consta, apenas
1 em cada 70 retornava à Inglaterra. Outros topógrafos estavam sujeitos a ataques de animais selvagens ou passavam fome. Mesmo assim, muitos eram atraídos pelo trabalho de campo e a relativa independência proporcionada por esse trabalho.

Certo grupo de indianos conhecidos como pundits ficou famoso por seu notável trabalho no Nepal e no Tibete. Uma vez que decretos e tratados haviam proibido estrangeiros de entrar nesses países, eles se disfarçaram de lamas (ou sacerdotes) budistas para conseguir entrar. Em preparação para o seu trabalho clandestino, cada um deles havia treinado dar precisamente 2.000 passos para cada milha (1,6 quilômetro). Usavam um rosário de cem contas para contar os passos e medir a distância.

Personalidades como Washington, Jefferson e Lincoln, que foram presidentes dos Estados Unidos, também trabalharam com topografia. Alguns chegam a dizer que o sucesso político de Lincoln se deveu, em parte, ao seu trabalho como topógrafo, que o levara a ter um contato mais de perto com o povo.

O levantamento topográfico que costumamos ver hoje em dia se subdivide em três categorias. A primeira é o levantamento cadastral para fins legais, que tem a ver com a delimitação legal do terreno. Quando é necessário lotear um terreno ou quando o governo decide definir o trajeto de novas ruas, estradas ou rodovias, os topógrafos estão a postos para fazer o loteamento e elaborar projetos com valor legal.

Outro tipo de levantamento é o planialtimétrico. Envolve medir o tamanho, o formato e a inclinação de um terreno bem como determinar com precisão a localização de estradas, muros, árvores, prédios existentes no local, instalações de água e luz, e assim por diante. Engenheiros civis, arquitetos, engenheiros estruturais e outros profissionais precisam saber a localização exata desses pontos, no terreno e nas proximidades, a fim de poder realizar seu trabalho. Essas informações lhes permitem desenvolver seus projetos concordemente e, em alguns casos, incorporar esses aspectos nas plantas.

Mesmo que desenhos, plantas, aprovações e assim por diante estejam prontos para se iniciar uma obra, ainda há a questão de exatamente onde cada coisa deve ficar. Nesse estágio em geral se avista o terceiro tipo de profissional em ação — o topógrafo para atividades de construção. Ele fornece todos os pontos importantes, linhas e marcadores de elevação para os trabalhadores na construção, a fim de assegurar que todas as instalações, estradas e outros itens estejam localizados exatamente conforme indicados nas plantas.